Dark Mode On / Off

* Impulsividade: como frear e parar 

Sabia que impulsividade você controla? Acompanhe este artigo e se surpreenda.

A função cognitiva de frear e parar é uma das atividades da área do cérebro chamada “lobo cerebral frontal”. É possível treinar essa função para controlar os impulsos. Nesse cenário, é  como freio do fluxo do movimento de ação e reação impulsivas.

Que tal começar agora mesmo? Afinal, treino de freio cerebral resulta em controle de impulsividade. Por consequência, isso dispõe até mesmo de exercícios. Veja mais abaixo.

Sim, isso é possível. Prática diária dos exercícios abaixo leva a esse efeito. São atividades simples e aplicáveis, ou seja, sem nenhuma alteração sensível em sua rotina de trabalho.

Prática contra impulsividade

Como visto acima, a função de frear e parar tenha forte relação com região importante do cérebro. Apesar disso, há exercícios apropriados. Veja abaixo alguns deles.

Ao ler: calma contra impulsividade

Leia seus e-mails sem começar a responder de forma imediata. Assim, terá tempo para refletir na resposta. Com isso, vai chegar a conclusões mais certeiras. Compreender o conteúdo das mensagens se torna mais agradável. Afinal, todos conhecemos as dificuldades de interpretação de texto da maioria das pessoas. Isso acontece ainda mais especialmente em comunicação textual escrita.

Além disso, leitura pausada quebra o ritmo cerebral. Dessa maneira, fluxo de ideias mais adequado acaba se tornando trava para impulsividade.

Ao conversar: escutar é bom e faz parte

Escute com atenção o que lhe dizem até o fim sem interromper. Dessa maneira, vai analisar a postura e expressões faciais da pessoa. Por outro lado, esse exercício incentiva o sentido de observação. Com isso, a tendência à impulsividade vai diminuindo com o tempo.

Ao dialogar: paciência é contrária à impulsividade

Só fale quando for a sua vez. Ou seja, é questão de ética que fortalece sua imagem social. Além disso, ajuda no controle da impulsividade com vantagens sociais adicionais.

TDAH - Impulsividade na Vida Cotidiana
Impulsividade é um os efeitos típicos do TDAH

Ao debater: “Nada a declarar”

Essa frase é muito usada por pessoas pegas de surpresa com atitudes criticáveis. Por outro lado, é muito útil quando se pretende diminuir o nível de impulsos. Ouça uma conversa sem dizer nada se não tiver nada a acrescentar.

Ao celular: não atenda “já”

Quando seu telefone tocar, não atenda de imediato. Ou seja, mantenha a tranquilidade até mesmo em detalhes. Assim, o que antes era impulso passa a ser demonstração de controle de ansiedade.

Etiqueta comportamental

Ao entrar na sala de um colega, observe o que ele está fazendo. Comece a falar somente quando ele lhe dirigir a atenção. Nesse caso, é também questão de etiqueta. Parece atitude simples, tola; contudo, com o tempo, seu cérebro aprende a controlar esse impulso. E, com um pouco mais de tempo, acaba transmitindo esse controle para outras áreas de seus relações.

Um vulcão de impulsividade

Impulsividade pode ser um vulcão, mas é controlável
Impulsividade pode ser um vulcão, mas é controlável

O início do treinamento de frear e parar é tremenda pressão interna. Afinal, é a impulsividade querendo explodir como erupção de vulcão. 

 

Aliás, vai explodir algumas vezes. Pelo menos até você conseguir suportar a pressão e impedir as explosões da impulsividade, antes descontrolada.

 

É isso!

 

Exercite, treine seus freios internos até ter total controle sobre sua impulsividade.

Cuidado! Não perca sua espontaneidade

Por outro lado, as pessoas com TDAH são muito receptivas. Então, isso pode causar problemas quando essa espontaneidade é excessiva. Porém, a grande disposição para reagir de forma espontânea e impulsiva pode ser benéfica. Isto é, gera consequências bastante positivas quando você:

  • … se faz presente sempre que é necessário
  • … entra em ação para dar continuidade a uma tarefa. E isso é especialmente quando alguém falha. Ou interrompe o processo. Então, você age de maneira espontânea
  • … assume a responsabilidade quando ninguém o faz 
  • … se dispõe a correr riscos quando outros hesitam

 Nesse caso, é preciso encontrar o equilíbrio. Não necessariamente o equilíbrio perfeito. Pessoalmente, acredito que perfeccionismo seja prejudicial a qualquer pessoa. Ou seja, não apenas a portadores de TDAH com impulsividade.

Entretanto, descobrir o ponto de equilíbrio entre cordialidade ser espontaneidade é necessário para que se consiga controlar a impulsividade.

Um abraço de 30 segundos!

Artigos mais lidos